CEPID

Atividades

Divulgação

Serviços

Os riscos da luz visível

Autores: Maria Célia Wider

02/12/2014
Pesquisa mostra que a luz visível também pode ser prejudicial para a pele

Os bons filtros solares encontrados hoje no mercado nos protegem contra radiação solar ultravioleta (UVA e UVB), mas não contra a radiação visível. E é um equívoco considerar que a exposição à luz visível seja segura para a saúde da pele.

Pesquisadores do CEPID Redoxoma, liderados pelo professor Maurício Baptista, do Instituto de Química da USP, mostraram que reações de fotossensibilização da melanina induzidas por luz visível causam danos nos melanócitos. O trabalho foi publicado na revista PLoS One.

“Nosso trabalho com células epiteliais mostrou que a luz visível também pode causar danos diretos no DNA nuclear dessas células. Esse resultado tem impacto importante para saúde pública, pois demonstra que a estratégia de passar filtro solar e se expor por longos períodos ao sol pode causar danos irreparáveis na saúde da pele, incluindo o fotoenvelhecimento e possivelmente a formação de tumores”, afirmou o pesquisador.

Os melanócitos são células localizadas na barreira entre a epiderme e a derme, fundamentais para manter a saúde da pele. Eles produzem a melanina, um pigmento na forma de grânulos responsável pela coloração da pele e pela proteção contra a radiação ultravioleta B (UVB).

Na presença de raios UVA e da luz visível, no entanto, a melanina passa a causar danos às células epiteliais.

O mecanismo de fotossensibilização e geração de espécies reativas por radiação UVA, com efeitos como fotoenvelhecimento e desenvolvimento de vários tipos de câncer de pele, já era conhecido.

Agora, os pesquisadores avaliaram a toxicidade da luz visível em melanócitos humanos e de murinos, tanto com nível basal quanto com superexpressão de melanina, e demonstraram que a presença de melanina aumenta a fototoxicidade da luz visível. Eles também quantificaram a formação de oxigênio singlete, que seria um dos mecanismos pelos quais ocorrem danos às células.

Esse mecanismo, como explica Baptista, envolve uma reação de transferência de energia da melanina excitada por absorção luminosa para o oxigênio, formando o oxigênio singlete, que ataca principalmente a base nitrogenada guanina, formando derivados potencialmente mutagênicos do DNA. Além da formação do oxigênio singlete, os resultados obtidos pelo grupo também indicam a ocorrência de reações diretas da melanina em estado excitado com o DNA.

Segundo o pesquisador, proteger a pele humana da exposição ao sol é uma questão complexa que envolve aspectos ainda pouco claros da interação entre a luz e o tecido.

“O ideal parece ser a velha receita de se expor ao sol por pouco tempo sem proteção externa, pois nesse caso obtemos os benefícios do sol, por exemplo, ativação da vitamina D, sem sofrermos os riscos que a exposição prolongada oferece, mesmo com utilização dos filtros solares atuais”, afirmou.

O artigo Melanin Photosensitization and the Effect of Visible Light on Epithelial Cells, de Orlando Chiarelli-Neto, Alan Silva Ferreira, Waleska Kerllen Martins, Christiane Pavani, Divinomar Severino, Fernanda Faião-Flores, Silvya Stuchi Maria-Engler, Eduardo Aliprandini, Glaucia R Martinez, Paolo Di Mascio, Marisa H. G. Medeiros e Maurício S. Baptista, pode ser lido em dx.doi.org/10.1371/journal.pone.0113266

Fotossensibilização da melanina com luz visível causa danos ao DNA nuclear
Source: PLoS One

Fale Conosco




Todos os campos são obrigatórios.


Enviando...

Fechar formulário